Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal

Você está em: Skip Navigation LinksLegislação > RC 17521M1/2019

Notas
Revogado
Imprimir
14/11/2019 17:27

RESPOSTA À CONSULTA TRIBUTÁRIA 17521M1/2019, de 12 de março de 2019.

Disponibilizado no site da SEFAZ em 14/11/2019

Ementa

ICMS – Substituição tributária – Operações com preparados para fabricação de sorvete em máquina – MODIFICAÇÃO DE RESPOSTA.

I. As operações com produtos emulsificantes e estabilizantes, classificados nos códigos 2106.90.29 e 1806.20.00 da NCM, que se caracterizam como insumos para integração no processo de fabricação de sorvetes e preparados para sorvetes de máquina, realizadas por estabelecimento fabricante localizado no Estado de Minas Gerais, com destino a contribuinte paulista, não estão submetidas ao regime de substituição tributária, nos termos do Protocolo ICMS 20/2005 e do artigo 295 do RICMS/2000.

Relato

1. A Consulente, fabricante de pós alimentícios, estabelecida no Estado de Minas Gerais e cadastrada como substituto tributário neste Estado de São Paulo, afirma que fabrica e fornece para os clientes do mercado de São Paulo, produtos emulsificantes e estabilizantes, classificados nos códigos 2106.90.29 e 1806.20.00 da NCM.

2. Afirma ainda que sua “linha de produtos inclui matérias primas, ingredientes e insumos que, formulados sempre em conjunto com outros ingredientes, destinam-se a integrar o processo de industrialização do sorvete pronto”, e expõe que, em seu entendimento, as operações com tais produtos não se submetem ao regime de substituição tributária previsto no Protocolo ICMS 20/2005, já que apenas as operações com “o sorvete pronto (processo instantâneo de transformação em máquinas de sorvete do tipo soft)” é que estariam sujeitas ao regime previsto nesse Protocolo.

3. Questiona sobre a correção de seu entendimento.

Interpretação

4. Inicialmente, transcrevemos abaixo a cláusula primeira do Protocolo ICMS 20/20005 e o artigo 295 do Regulamento do ICMS (RICMS/2000), que dispõem sobre a substituição tributária nas operações com sorvetes e com preparados para fabricação de sorvete em máquina:

PROTOCOLO ICMS 20/2005

Cláusula primeira Nas operações interestaduais com sorvetes de qualquer espécie e com preparados para fabricação de sorvete em máquina, realizadas entre estabelecimentos localizados em seus territórios, fica atribuída ao estabelecimento industrial ou importador, na qualidade de sujeito passivo por substituição, nos termos e condições deste protocolo, a responsabilidade pela retenção e recolhimento do ICMS devido pelas subseqüentes saídas, realizadas por estabelecimento atacadista ou varejista.

§ 1º O disposto nesta cláusula aplica-se:

I - aos sorvetes de qualquer espécie, inclusive sanduíches de sorvetes, classificados na posição 2105.00 da NCM;

II - aos preparados para fabricação de sorvete em máquina, classificados nas posições 1806, 1901 e 2106 da NCM/SH.

§ 2º Quando a saída interestadual for realizada por estabelecimento atacadista, distribuidor do fabricante, o fisco da unidade federada destinatária da mercadoria poderá credenciá-lo como sujeito passivo por substituição.

(...).

Artigo 295 - Na saída de sorvete, de qualquer espécie, ou de preparado para fabricação de sorvete em máquina, com destino a estabelecimento localizado no território paulista, fica atribuída a responsabilidade pelo pagamento do imposto incidente nas operações subseqüentes (Lei 6.374/89, art. 8°, X, na redação da Lei 12.681/07, art. 1°, I; art. 8°, § 3°, na redação da Lei 9.176/95, art. 60, I, e Protocolo ICMS-20/05, cláusulas primeira e quarta):

I - a estabelecimento de fabricante ou de importador ou a arrematante de mercadoria importada do exterior e apreendida, localizado neste Estado;

II - a estabelecimento de fabricante ou importador ou a arrematante de mercadoria importada do exterior e apreendida, localizado em outro Estado, signatário de acordo implementado por este Estado, arrolado na Tabela III do Anexo VI;

III - a qualquer estabelecimento que receber sorvete ou preparado para fabricação de sorvete em máquina diretamente de outro Estado, em hipótese não abrangida pelo inciso II.

§ 1º - Na hipótese do inciso III:

1 - o imposto incidente na operação própria e nas subseqüentes será pago no período de apuração em que tiver ocorrido a entrada da mercadoria no estabelecimento, com observância do disposto no artigo 277;

2 - na saída da mercadoria do estabelecimento será emitido documento fiscal nos termos do artigo 274 e escriturado o livro Registro de Saídas na forma do artigo 278;

3 - no tocante ao imposto pago de acordo com o item 1, aplicar-se-á o disposto no inciso VI do artigo 63 e no artigo 269.

§ 2º - O disposto neste artigo aplica-se:

1 - aos sorvetes de qualquer espécie, classificados na posição 2105.00 da NBM/SH;

(...)

3 - aos preparados para fabricação de sorvete em máquina, classificados nas posições 1806, 1901 e 2106 da NBM/SH.

5. Observamos que os referidos “preparados para fabricação de sorvete em máquina” se constituem como produtos acabados destinados ao uso em equipamento de refrigeração próprio, resultando em sorvete instantâneo pronto para o consumo pelo adquirente.

6. Assim sendo, a substituição tributária em tela aplica-se somente ao sorvete pronto e aos preparados para fabricação de sorvete em máquina, classificados nas posições da NCM indicadas, não abrangendo matérias-primas destinadas a fabricação desses ou de outros tipos de sorvetes.

7. Portanto em resposta ao questionamento da Consulente, observamos que as operações com produtos emulsificantes e estabilizantes, classificados nos códigos 2106.90.29 e 1806.20.00 da NCM, que se caracterizam como insumos para integração no processo de fabricação de sorvetes e preparados para sorvetes de máquina, realizadas por estabelecimento fabricante localizado no Estado de Minas Gerais com destino a contribuinte paulista, não estão submetidas ao regime de substituição tributária, nos termos do Protocolo ICMS 20/2005 e do artigo 295 do RICMS/2000.

8. A presente resposta substitui a anterior - Protocolo CT nº 00017521/2018, produzindo efeitos na forma prevista no parágrafo único do artigo 521 do RICMS/2000.

A Resposta à Consulta Tributária aproveita ao consulente nos termos da legislação vigente. Deve-se atentar para eventuais alterações da legislação tributária.

RESPOSTA ABAIXO MODIFICADA - SEM EFEITOS:

RESPOSTA À CONSULTA TRIBUTÁRIA 17521/2018, de 22 de Junho de 2018.

 

Disponibilizado no site da SEFAZ em 28/06/2018.

 

 

Ementa

 

ICMS – Substituição tributária – Operações com preparados para fabricação de sorvete em máquina.

 

I. As operações com preparados para fabricação de sorvete em máquina, classificados nos códigos 2106.90.29 e 1806.20.00 da NCM, realizadas por estabelecimento fabricante localizado no Estado de Minas Gerais, com destino a contribuinte paulista, estão submetidas ao regime de substituição tributária, nos termos do Protocolo ICMS 20/2005 e do artigo 295 do RICMS/2000.

 


Relato

 

1. A Consulente, fabricante de pós alimentícios, estabelecida no Estado de Minas Gerais e cadastrada como substituto tributário neste Estado de São Paulo, afirma que fabrica e fornece para os clientes do mercado de São Paulo, produtos emulsificantes e estabilizantes, classificados nos códigos 2106.90.29 e 1806.20.00 da NCM.

 

2. Afirma ainda que sua “linha de produtos inclui matérias primas, ingredientes e insumos que, formulados sempre em conjunto com outros ingredientes, destinam-se a integrar o processo de industrialização do sorvete pronto”, e expõe que, em seu entendimento, as operações com tais produtos não se submetem ao regime de substituição tributária previsto no Protocolo ICMS 20/2005, já que apenas as operações com “o sorvete pronto (processo instantâneo de transformação em máquinas de sorvete do tipo soft)” é que estariam sujeitas ao regime previsto nesse Protocolo.

 

3. Questiona sobre a correção de seu entendimento.

 

 

Interpretação

 

I4. Inicialmente, transcrevemos abaixo a cláusula primeira do Protocolo ICMS 20/20005 e o artigo 295 do Regulamento do ICMS (RICMS/2000), que dispõem sobre a substituição tributária nas operações com sorvetes e com preparados para fabricação de sorvete em máquina:

 

“PROTOCOLO ICMS 20/2005

 

Cláusula primeira Nas operações interestaduais com sorvetes de qualquer espécie e com preparados para fabricação de sorvete em máquina, realizadas entre estabelecimentos localizados em seus territórios, fica atribuída ao estabelecimento industrial ou importador, na qualidade de sujeito passivo por substituição, nos termos e condições deste protocolo, a responsabilidade pela retenção e recolhimento do ICMS devido pelas subseqüentes saídas, realizadas por estabelecimento atacadista ou varejista.

 

§ 1º O disposto nesta cláusula aplica-se:

 

I - aos sorvetes de qualquer espécie, inclusive sanduíches de sorvetes, classificados na posição 2105.00 da NCM;

 

II - aos preparados para fabricação de sorvete em máquina, classificados nas posições 1806, 1901 e 2106 da NCM/SH.

 

§ 2º Quando a saída interestadual for realizada por estabelecimento atacadista, distribuidor do fabricante, o fisco da unidade federada destinatária da mercadoria poderá credenciá-lo como sujeito passivo por substituição.

 

(...).”

 

“Artigo 295 - Na saída de sorvete, de qualquer espécie, ou de preparado para fabricação de sorvete em máquina, com destino a estabelecimento localizado no território paulista, fica atribuída a responsabilidade pelo pagamento do imposto incidente nas operações subseqüentes (Lei 6.374/89, art. 8°, X, na redação da Lei 12.681/07, art. 1°, I; art. 8°, § 3°, na redação da Lei 9.176/95, art. 60, I, e Protocolo ICMS-20/05, cláusulas primeira e quarta):

 

I - a estabelecimento de fabricante ou de importador ou a arrematante de mercadoria importada do exterior e apreendida, localizado neste Estado;

 

II - a estabelecimento de fabricante ou importador ou a arrematante de mercadoria importada do exterior e apreendida, localizado em outro Estado, signatário de acordo implementado por este Estado, arrolado na Tabela III do Anexo VI;

 

III - a qualquer estabelecimento que receber sorvete ou preparado para fabricação de sorvete em máquina diretamente de outro Estado, em hipótese não abrangida pelo inciso II.

 

§ 1º - Na hipótese do inciso III:

 

1 - o imposto incidente na operação própria e nas subseqüentes será pago no período de apuração em que tiver ocorrido a entrada da mercadoria no estabelecimento, com observância do disposto no artigo 277;

 

2 - na saída da mercadoria do estabelecimento será emitido documento fiscal nos termos do artigo 274 e escriturado o livro Registro de Saídas na forma do artigo 278;

 

3 - no tocante ao imposto pago de acordo com o item 1, aplicar-se-á o disposto no inciso VI do artigo 63 e no artigo 269.

 

§ 2º - O disposto neste artigo aplica-se:

 

1 - aos sorvetes de qualquer espécie, classificados na posição 2105.00 da NBM/SH;

 

(...)

 

3 - aos preparados para fabricação de sorvete em máquina, classificados nas posições 1806, 1901 e 2106 da NBM/SH.” (grifos nossos)

 

5. Do transcrito acima, observamos que não apenas as operações com sorvete pronto, como entende a Consulente, estão submetidas ao regime de substituição tributária, mas também as operações com produtos destinados a fabricação de sorvete em máquina, e que estejam classificados nas posições 1806, 1901 e 2106 da NCM.

 

5.1. E no presente caso, a própria Consulente não afirma que seus produtos emulsificantes e estabilizantes, classificados nos códigos 2106.90.29 e 1806.20.00 da NCM, não possam também destinar-se a integrar o processo de fabricação do sorvete em máquina.

 

6.  Portanto, em resposta ao questionamento da Consulente, esclarecemos que as operações com produtos emulsificantes e estabilizantes destinados ao processo de fabricação do sorvete em máquina (“preparados para fabricação de sorvete em máquina”), classificados nos códigos 2106.90.29 e 1806.20.00 da NCM, realizadas por estabelecimento fabricante localizado no Estado de Minas Gerais, com destino a contribuinte paulista, estão submetidas ao regime de substituição tributária, nos termos do Protocolo ICMS 20/2005 e do artigo 295 do RICMS/2000.

 

7.  Caso a Consulente deseje um parecer assertivo sobre este tema, deverá propor nova consulta esclarecendo categoricamente toda a matéria de fato, juntando preferencialmente um catálogo ou folder técnico do produto descrevendo todos os seus usos comerciais, e especialmente esclarecendo se tais produtos emulsificantes e estabilizantes, classificados nos códigos 2106.90.29 e 1806.20.00 da NCM, não possam também destinar-se também a integrar o processo de fabricação do sorvete em máquina.

 

 

A Resposta à Consulta Tributária aproveita ao consulente nos termos da legislação vigente. Deve-se atentar para eventuais alterações da legislação tributária.